July22014

text

Te abraçar é ler Kundera

É lindo e lascivo,  
É tenro e é tenso.

É doce e destrutivo,
É impossível e intenso.

É divino, é um vício,
É etéreo, e é extenso.

É o ínício é o meio, 
e é o fim.

July12014

text

Moça

Não sei
Se é tesão,
Ou se é saudade

Não sei
Se é carinho,
Ou se é maldade

Não sei
Se me quer bem,
Ou mal me quer

E não sei também
Se é sem querer,
Ou se é mulher.

June92014

text

Haiku da Serra

Não tem que estar ruim
Pra acabar.

Só é preciso estar no fim
Pra terminar.

May262014

text

Copacabana

Somos feitos de palavras,
feitos de poesia.

Somos tudo o que sobra,
se tiramos a rotina.

May212014

text

Poemas Pra Elas

Como se na minha poesia
não houvesse espaço algum
pro dia a dia, pra vida cotidiana,

Porque está cheia, lotada,
de Lívias, Camilas,
de Louises, de Ana.

May122014

text

Tectônica

O teu terremoto
que balança o mundo,
que balança os oceanos

Que é pura energia,
Puro movimento,
Pura ação.

Teu terremoto transatlântico,
que balança o tempo,
que balança os anos.

Que são muitos,
muito tempo,
coração.

April222014

text

Haiku Atlântico

Na separação
de quem se ama,

Seguem juntos, 
o Mar e Ana.

April172014

text

Muito mais de mês

A vida que te puxa
me puxa,
empurra

É esperta,
nos desperta,
mas é burra.

É essa pressa,
é esse estalo.

Eu aqui e tu aí,
vivendo no intervalo.

April12014

text

Mariana, com todas as letras.

Vou te escrever, juro!
Já te disse que só escrevo balançado,
ele tem que balançar.

Quanta impaciência!
Já falei, vou escrever!

Só preciso dum sábado,
duma cerveja, dum bambolê.

Duma coleção, dum coração,
de você.

February172014

text

Mine is yours

Mine is the habit,
mine is the vice.
Yours is the taste 
of a kiss so divine.

Mine is the craft,
mine is the care.
Yours is the deepest 
breath of fresh air.

Mine is the body,
mine is the mind.
Yours is the haze
where we lose and we find. 

Mine’s the desire
for you and your dreams,
Yours are the fields
of black, blue and green.

February162014

text

Sagax

Te trago e te tomo,
teu hálito, teu ar.

Me toma de arrebate:
Te sinto encharcar.

Estou cheio, tão cheio!
Mas cheio de ar.

Da tua boca pra minha,
consigo esvaziar.

January192014

text

Permiso

É preciso se deixar querer,
É preciso não temer.

É preciso deixar que cresçam
as flores do teu jardim,
e não temer o que queremos:

Eu a ti e tu a mim.